O Lindy Hop é a dança swing original.

Liga movimentos e ritmos das danças africanas e elementos das danças europeias. Com ritmos sincopados que vêm da música swing, é uma dança com energia e alegria, com bastante espaço para o improviso.

Sabe mais sobre o Lindy Hop.

A Balboa é uma dança swing dos anos 20 e o seu nome tem origem na península onde nasceu, na Califórnia.

A dança evoluiu com o objectivo de ocupar pouco espaço, em resposta às regras firmes dos salões de baile nessa zona, que se encontravam demasiado cheios para outras danças como Charleston, com os seus kicks exuberantes.

Sabe mais sobre a Balboa.

O Collegiate Shag (ou “Shag”) é uma dança a pares feita principalmente para swing e pré-swing jazz mais rápido com os seus kicks caraterísticos e uma personalidade um pouco rebelde.

O termo “Collegiate” é usado com “Shag” às vezes, sendo um termo descritivo para explicar quem ou como uma dança foi feita. por exemplo Collegiate Waltz, ou Collegiate Fox Trot.  Dito doutra forma, simplesmente, foi assim que os “College Kids” fizeram a dança Shag!

Sabe mais sobre o Collegiate Shag

Com mais de 100 anos de história a música Blues tem uma variedade riquíssima que se reflecte na dança, por esse motivo a dança Blues é um termo generalista que engloba várias danças e estilos musicais de Blues.

Com raízes em ritmos e movimentos de dança africana, nasceu e desenvolveu-se nas comunidades Afro-Americanas e é a dança perfeita para quem gosta de ter variedade de estilos e expressão individual na sua dança.

Sabe mais sobre o Blues.

O Vintage Jazz, ou Vernacular/Authentic Jazz, é o Jazz das décadas de 1920 a 1940, cheio de energia e improviso.

Esta dança tem origem cultural nas primeiras comunidades africanas nos Estados Unidos, com uma linguagem rica em movimentos das diversas danças dos escravos.  Hoje em dia, Vernacular Jazz é considerado uma parcela importante do Lindy Hop, pois partilham a mesma génese e expressam o mesmo tipo de música.

Sabe mais sobre o Vintage Jazz

O Charleston é a dança frenética dos anos 20 que nasceu com o “hot jazz” da época.

Esta dança entrou na moda nos EUA por causa de uma música “The Charleston” de James P. Johnson em 1923. Roubando o ritmo base a uma dança afro-americana, Juba, o Charleston evoluiu para cativar o público geral com os seus twists, kicks, e taps  – pondo grande ênfase nos movimentos das pernas, dançando tanto a pares como a solo.

Sabe mais sobre o Solo Charleston.

O Tap (sapateado) é das mais antigas das danças vintage americanas. É uma dança verdadeiramente americana, que nasceu de uma fusão de tradições de step-dances britânicas e da África Ocidental.

Esta é uma dança com uma rica história mas com uma evolução contínua, contando actualmente com influências de ritmos latino-americanos e caribenhos e também de hip hop e outras danças do mundo.

Sabe mais sobre o Tap Dance.

O Blues tem as suas raízes em ritmos e movimentos de dança africana. Tal como a música, a dança evoluiu com base nesta ancestralidade.

Uma das características da dança Blues é a expressividade individual tanto na dança a pares como na dança solo.  Isto faz com que a capacidade de dançar a solo com movimentos subtis no estilo de Ballroom ou mais staccato no estilo Juke Joint, seja  um dos atributos definidores da dança Blues.

Sabe mais sobre o Solo Blues